Vestibular UVA2016




O País Basco

Dominados pela Espanha desde o século XVI, os bascos nunca aceitaram o governo central espanhol, acusando de expropriar as riquezas da região.

Postado em 23/06/2010 | 0 Comentário(s) | 4521 Acessos

O País Basco, localizado entre a Espanha e a França e organizados no ETA (Euzkadi Ta Askatana - que em língua basca significa Pátria Basca e Liberdade), lutam pela independência do País Basco e pela definição de territórios autônomos. Presume-se que o povo basco tenha ocupado a Península Ibérica por volta do ano 2000 a.C. e tenha resistido as constantes invasões sofridas pela região ao longo dos séculos. Apesar da dominação romana, os bascos mantiveram sua língua, costumes e tradições, num processo de constante resistência. A língua basca não tem parentesco com nenhuma outra no mundo e embora seja a língua mais antiga falada hoje na Europa.

Dominados pela Espanha desde o século XVI, os bascos nunca aceitaram o governo central espanhol, acusando de expropriar as riquezas da região e de impedir manifestações políticas. A partir da década de 1960, intensificaram-se as manifestações pela independência, sobretudo por maio de ações terroristas pelo ETA.

Integrantes do ETA

A ideia de um país basco independente surgiu no século XIX com a fundação do Partido Nacionalista Basco (1894). Porém, esse plano foi interrompido quando da instalação da ditadura na região que colocou fim ao partido. Fundada em 1959 por jovens do antigo Partido Nacionalista Basco, o ETA é uma associação separatista que atua com violentas ações na busca de terem seus objetivos concretizados.

Em 1978, o País Basco começou a contar com maior autonomia, e a população, mais satisfeita com a liberdade conquistada, passou a repudiar as ações terroristas do ETA, que, sem o apoio popular, anunciou um cessar-fogo.

O grupo, entretanto, retornou suas ações a partir de 2000, com violentos atentados contra alvos, espanhóis e bascos acusados de colaborar como governo central.

Manifestação em prol do País Basco

No dia 22 de Março de 2006 a organização declarou novo cessar-fogo permanente desde que o governo espanhol concordasse com o início de discussões pacíficas sobre o aumento da autonomia e uma possível independência do País Basco, que foi rompido em 30 de dezembro de 2006. A organização assumiu a explosão de um carro-bomba no Terminal 4 do aeroporto de Barajas, em Madri. O atentado provocou o desmoronamento de três dos quatro andares do prédio (o mais novo terminal do aeroporto), deixando dezenove pessoas feridas e causando a morte de dois equatorianos.

Diferentemente do que já ocorreu no passado, o ETA, desta vez, não anunciou previamente o fim do cessar-fogo. O atentado provocou a suspensão do tráfego aéreo num dos dias mais movimentados do ano nos aeroportos europeus. A paz na região ainda é incerta no início deste milênio.

	Localização do País Basco entre a França e a Espa


Fonte:


Tiberigeo Tiberiogeo. A Geografia Levada a Sério.


Deixe um comentário