Vestibular UVA2016




A Questão da Caxemira

As tensões entre estes indianos e paquistaneses começaram logo após a retirada dos britânicos. A área está nas mãos dos indianos.

Postado em 19/06/2010 | 0 Comentário(s) | 5148 Acessos

A Índia é uma potência regional e seu poder nesta região da Ásia é contestada pelo Paquistão. Os conflitos entre este dois vizinhos tem raízes profundas. Suas causa vem desde o processo de Imperialismo realizado pelos europeus durante o século XIX e XX na África e na Ásia. A região ao sul da Ásia foi o destino dos navegantes portugueses e espanhóis no período de colonização e durante o século XIX e início do XX foi colônia inglesa. Como na África, os britânicos repetiram o mesmo erro na Ásia, ao agrupar em uma mesma colônia grupos étnicos e religiosos diferentes. Essa é também uma das principais causas do conflito entre Paquistão e Índia.

O Império Britânico se apossou da Índia em 1763 com o conflito denominado Guerra dos Sete Anos (1756-1763). Em 1806 foi a vez da Birmânia (atual Mianma) de se tornar domínio britânico. Neste período, a região era protetorado inglês e mantinha uma certa autonomia política. A partir de 1848, a Inglaterra impôs uma administração britânica na região, que construiu estradas e organizou missões políticas e religiosas. Assim o Imperialismo Britânico começou a ser implantado, alterando as estruturas econômicas, afetando os costumes locais e destruindo a tradicional indústria têxtil indiana, que não conseguia competir com a produção inglesa.

População reivindica mais liberdade

A presença britânica e as alterações que eles provocaram na sociedade local, causaram revoltas e o despertar do nacionalismo indiano. A Guerra dos Cipaios (soldados indianos), em 1857, foi o ápice desta revolta, mas ela foi sufocada em 1859. A partir de então a Índia passou a ser colônia britânica, governada pelo vice-rei de Calcutá. Em 1876, a Índia se tornou área do Império Britânico e a rainha Vitória foi coroada Imperatriz da Índia. No início do século XX, o Império Britânico já controlava não só a Índia, como também a Birmânia, o Tibete e o Afeganistão, dominando do Mar Vermelho ao Oceano Índico.

O processo de descolonização levou o Reino Unido a deixar a região em 1947. Então a Colônia da Índia Britânica se divide em dois países que ocuparam áreas segundo a presença majoritária de indivíduos de cada religião. Surgem assim a Índia, Estado Hindu, e o Paquistão, Estado Islâmico. Este último controlava uma região chamada Paquistão Oriental que não é ligada por terra com o atual Paquistão, o domínio paquistanês se devia pela presença majoritária de muçulmanos na região. Está área se separaria em 1971, se tornando o Bangladesh.

As tensões entre estes indianos e paquistaneses começaram logo após a retirada dos britânicos. Hindus que viviam no Paquistão fugiram então para a Índia e o mesmo ocorreu com os muçulmanos que viviam em terras indianas. O número de pessoas que deixaram suas casas foi de mais de 10 milhões e cerca de 1 milhão morreu no processo.

Polícia indiana enfrenta manifestantes

O ponto crucial desta disputa é a posse das terras da Caxemira, que está nas mãos dos indianos. Das três guerras entre os dois países, duas foram pelo o controle desta região montanhosa no norte da Índia que faz fronteira com o Paquistão e também com a China. É na Caxemira que nos últimos anos, o exército indiano e rebeldes separatistas (lê-se aí Governo Paquistanês) se enfrentam no que é o pior conflito entre Índia e Paquistão. A região é habitada na sua grande maioria por muçulmanos - cerca de 78% dos 11 milhões de habitantes - mas são os hindus indianos que controlam 2/3 da região (19,5% são hindus na Caxemira). O Paquistão rebate as críticas da Índia, dizendo que o seu apoio é apenas moral e político. Segundo eles, é a Índia que estimula o conflito ao atirar no território paquistanês da Caxemira.

	Área de disputa entre Paquistão e Índia

O conflito serviu como desculpa para militarização da fronteira entre os dois países e para uma corrida armamentista. Índia e Paquistão já têm armas nucleares, realizando testes desde 1998. Isto agravou a tensão na região, junto com o apoio chinês ao governo paquistanês. A intervenção dos EUA no conflito, só veio com os ataques realizados pelos norte-americanos ao Afeganistão. Os ianques não querem mais problemas na região. Inclusive, eles já permitiram a entrada do Paquistão no clube de países que controlam armas nucleares, além da liberação de verbas do FMI. Numa clara troca de favores para que as forças armadas norte-americanos possam usar o espaço aéreo e bases paquistanesas nos ataques ao Talibã. A Índia também tem outros problemas com separatistas dentro do seu próprio território, envolvendo outras religiões não-hindus.


Fonte:


Tiberigeo Tiberiogeo. A Geografia Levada a Sério.


Deixe um comentário