Vestibular UVA2016




A Geopolítica da Copa

A Copa do mundo é mais do que um evento esportivo. Sua realização e seus participantes estão inseridos no mundo globalizado, do qual não deixa de ser um retrato.

Postado em 20/07/2010 | 0 Comentário(s) | 4151 Acessos

Num mundo tão desigual, o grau de desenvolvimento muitas vezes pesa na definição das nações que vão se destacar no campo esportivo. É claro que muita coisa conta para determinar "o" país que vence uma Copa - e o resultado final é algo aberto. O Brasil, por exemplo, nunca foi rico, mas é o maior dos campeões. Mas tome os exemplos dos Estados Unidos e Japão, as duas princiapis potências econômicas do mundo atual. Sem tradição no futebol, decidiram, há algumas décadas, investir rios de dinheiro em jogadores e técnicos. Resultado: conseguiram montar uma boa base para as seleções presentes nas últimas Três Copas.

O outro lado da Copa

Você pode até não ter percebido, mas a Copa é uma competição sobretudo entre países bem de vida. Então vejamos:

50% dos participantes da Copa são do grupo de MUITO ALTO DESENVOLVIMENTO HUMANO da lista do IDH. São 16 seleções.

Lembrando que o IDH é um índice de qualidade de vida de um país elaborado pela ONU na década de 1990 que leva em consideração três aspectos: Saúde; Educação; e Renda. Esse índice varia de 0,0 a 1,0, quanto mais próximo de 1,0 melhor IDH; quanto mais próximo de 0,0, pior IDH, dessa forma a ONU classifica os países em IDH Baixo (0,0 A 0,499); IDH Médio (0,500 a 0,799); IDH Alto (0,800 a 0,899); e agora IDH Muito Alto (0,900 a 1,0).

100% dos países campeões mundias de futebol participam dos grupos de ALTO ou MUITO ALTO DESENVOLVIMENTO HUMANO.

6 países dos sete integrantes do G-7 (grupo dos países mais ricos) estão na Copa: Estados Unidos, Inglaterra, França, Itália, Japão e Alemanha. Só fica de fora o Canadá.

16% dos países do mundo particiapm da Copa. Eles somados têm 67% do PIB global(tudo que o mundo produz em um ano).

Costa do Marfim é a única seleção na Copa que faz parte das 24 nações com BAIXO DESENVOLVIMENTO HUMANO.

Nenhum país participa desta Copa entre 19 com a pior qualidade de vida no mundo, segundo a lista do IDH publicada em 2009. Desses, só dois já participaram: a República Democrática do Congo, antigo Zaire, que tomou 14 gols e não fez nenhum em três jogos, em 1974; e o Senegal, que chegou às quartas de final, em 2002, vencendo a França e a Suécia.

20 das 32 seleções da Copa têm praticamente toda a sua população alfabetizada (pelo menos 96%). Só a Costa do Marfim conta com mais da metade da população (51,3%) alfabetizada. No Brasil, 90% da população sabe ler e escrever.

A grande diversidade da Copa

Guerra e Paz

Você já ouviu falar que, na Copa do Mundo, os jogadores têm de ser guerreiros. Por aqui, isso é uma brincadeira. Mas há vários países nos quais o negócio é sério. Vejamos:

COSTA DO MARFIM: Em meio a uma guerra civil, o país é ocupado por tropas de paz da ONU. com a particiapação de outros dez países presentes na Copa.

SÉRVIA: Forças da Otan ocupam o Kosovo, província sérvia que proclamou a independência, não reconhecida pelo governo sérvio. O território está ocupado militarmente, há dez anos, por forças da Otan (aliança militar ocidental), com tropas de outros dez países que particiapm da Copa.

29 países entre 32 da Copa mantêm hoje soldados ou tropas no exterior, em missões de pacificação da ONU.

50% dos países particiapntes da Copa estão envolvidos em uma guerra agora.

LUTAM NO AFEGANISTÃO, contra o Taleban e grupos insurgentes, tropas dos EUA, Inglaterra, França, Alemanha, Itália, Espanha, Portugal, Holanda, Dinamarca, Grécia, Eslováquia, Eslovênia, Austrália e Nova Zelândia.

A COSTA DO MARFIM enfrenta uma guerra civil desde 2002, e há uma trégua instável vigorando no início de 2010.

Além disso, a COREIA DO SUL e a COREIA DO NORTE, que travaram uma guerra entre 1950 e 1953, chegaram a uma trégua, mas nunca concluíram um acordo de paz. Formalmente, estão em estado de guerra até hoje.

Línguas Compartilhadas

Você já pensou que, apesar de serem de países diferentes, há várias seleções nas quais os jogadores podem conversar normalmente com os adversários, pois falam a mesma língua? São países cuja história teve algum ponto de contato - na maioria dos casos, antigas metrópoles e colônias.

8 seleções, de quatro continentes, fala inglês, herança do domínio do Império Britânico: Inglaterra, Estados Unidos, África do Sul; Nigéria; Gana; Camarões; Austrália e Nova Zelândia.

7 falam espanhol: a própria Espanha e mais seis países oriundos da Amárica Espanhola: México, Honduras, Chile, Argentina, Uruguai e Paraguai.

4 falam francês: França, Costa do Marfim, Camarões e Suíça (país que tem quatro línguas).

3 seleções são de países nos quais a população, ou parte dela, fala italiano: Itália, Suíça e Eslovênia.

O português é falado por Brasil e Portugal, adversários na primeira fase da Copa.

Sorteio dos grupos da Copa

Compra e Venda

A China não participa da Copa, mas muita coisa do que os jogadores levarão para a competição saiu de lá. O país da Ásia é um dos quatro principais parceiros comerciais - para exportações ou importações - de 31 dos 32 participantes da copa(todos, exceto a pequena nação de Honduras).

Os 6 times africanos têm na China como um dos três principais fornecedores externos, e dois deles exportam em grande quantidade para lá. Todos também compram muita coisa vinda da União Europeia.

O Brasil é um dos quatro grandes destinos de exportação de cinco países presentes na Copa, e um dos quatro principais fornecedores externos para quatro participantes.

Óvini

COREIA DO NORTE: um dos regimes mais fechados do mundo, a comunista Coreia do Norte não faz parte das listas do IDH e da Organização Mundial do Comércio e suas estatísticas não são conhecidas. Sabe-se que a nação é pobre e, recentemente, fez muito barulho, pois realizou testes atômicos. Agora, negocia seu desarmamento em troca de ajuda econômica. Mesmo seu futebol é um enigma, que o Brasil vai procurar decifrar em seu jogo de estreia.

	A língua da Copa

Algo em Comum

Vários confrontos da primeira fase colocam frente a frente países com histórias em comum.

Inglaterra X EUA - A história comum dos dois países começa com a colonização britânica de territórios na América do Norte, no século XVII. Os ingleses fundam 13 colônias no litoral do Atlântico, que, após mais de 150 anos de vida relativamente autônoma, entram em guerra com a metrópole e conquistam a independência, em 1776. Nos 130 anos seguintes, obtêm vastos territórios, que tornam o quarto maior país do mundo. Mesmo tendo superado a metrópole em poderio econômico e político, ao se tornar a maior potência moderna, os Estados Unidos ainda estão atrás no futebol: os ingleses inventaram o esporte e possuem o título mundial em 1966 na bagagem.

Sérvia X Alemanha - Enquanto os jogadores se enfrentam no campo, soldados dos dois países estão em lodos opostos num território em disputa no sudeste da Europa. A região de Kosovo, no sul da Sérvia, cuja etnia majoritariamente é albanesa, está sob ocupação de tropas da Otan desde 1999. O Parlamento kosovar declarou a independência em 2008, mas a Sérvia não aceita e mantém suas forças em alerta. Tropas alemãs integram o contigente da Otan, que impede o avanço dos sérvios. Não parece haver solução à vista, pelo menos a curto prazo, para o conflito.

Holanda X Japão - Holandeses e japoneses brigaram feio no passado para ver quemcontrolava uma região distante de suas terras: o arquipélago onde hoje fica a Indonésia, no oceano Índico. As ilhas foram dominadas pelos europeus no século XVII, tornando-se as Índias Orientais Holandesas. Já no século XX, durante a Segunda Guerra Mundial, o Japão estendeu lagarmente seus domínios e, no arquipélago, derrotou os holandeses e tomou o controle. Com o fim da guerra e a derrota do Japão, os indonésios proclamaram sua independência, que os holandeses só reconheceram após quatro anos de conflitos.

Brasil X Portugal - O território do Brasil foi de Portugal durante 322 anos. Dos portugueses, os brasileiros herdaram a língua e boa parte de sua cultura. Portugal, por seu lado,teve sobretudo no Brasil o combustível para o desenvolvimento econômico por séculos, com a exploração do pau-brasil, da cana-de-açúcar e do ouro. Nesse período, algo também une os dois países à Costa do Marfim (que faz parte da mesma chave na Copa): ali era um dos pontos onde os traficantes portugueses apresavam escravos para trazaer ao território brasileiro. A independência do Brasil acabou ocorrendo relativamente sem conflitos. A proximidade com os portugueses é tanta que em sua seleção jogam três brasileiros - Deco, Liédson e Pepe.

	Embate pelas eliminatórias entre as Coreias

Jogos de Risco

Tensões e conflitos entre países integram o cenário global. Veja alguns confrontos que podem ocorrer na Copa em que o excesso de rivalidade pode extrapolar o campo e a disputa esportiva

Argentina X Inglaterra; Guerra das Malvinas (pode acontecer nas quartas de final). O foco do conflito é a ocupação pelo Império Britânico, desde 1833, das ilhas Malvinas (Falklands, para os britânicos), no Atlântico Sul. Os argentinos consideram as ilhas seu território. Em 2 de abril de 1982, o governo militar argentino ocupou as ilhas com 5 mil soldados. A Inglaterra enviou uma esquadra. Iniciada em 25 de abril, a guerra terminou em 14 de junho com a capitulação Argentina e centena de mortos. Desde então, as relações entre os dois países são ruins. A questão acirrou-se recentemente, pois os britânicos perfuraram nos mares do arquipélago, atrás de petróleo.

Sérvia X Eslovênia; Ecos da Limpeza Étnica (pode acontecer nas oitavas de final).Estes países faziam parte de um mesmo país há menos de 20 anos: a Iugoslávia, que incluía ainda os atuais Croácia, Bósnia-Herzegóvina, Macedônia e Montenegro. O antigo Estado comunista entrou em crise, no fim dos anos 1980, e viu os diversos povos que viviam em seu interior trilhar um caminho de separação. A Eslovênia foi a primeira a declarar independência, em junho de 1991. As tropas federais invadiram seu território, mas o conflito foi breve. Pior sorte tiveram os demais, que viveram uma guerra sanguinária, com extermínio de milhares alimentado por ideias de "limpeza étnica". Hoje há paz, mas persiste um forte ressentimento pelas perdas de lado a lado.

Argélia X França; A Longa Guerra pela Independência (pode acontecer nas quartas de final). Os franceses resistiram muito a deixar os argelinos seguir o próprio caminho. Localizada no norte da África, à beira do Mediterrâneo, a Argélia foi colônia francesa por 132 anos. Grande parte de sua área é desértica, mas o norte é fétil, e o país é rico em petróleo e gás. Logo após Segunda Guerra Mundial, os argelinos começaram o movimento pela independência - e foram brutalmente reprimidos. Só após 17 anos de luta, a França reconheceu o novo país. Hoje, o ponto de tensão é outro: a França se ressente da entrada em seu território de levas de imigrantes argelinos.

Coreia do Norte X Coreia do Sul; Um país dividido (pode acontecer na semifinal ou na final). Aqui pode haver briga, mas também abraços e choro, pois famílias estão separadas há décadas. Nação milinar, a Coreia viu-se dividida logo após a Segunda Guerra Mundial, em 1945, com o norte ocupado pelos soviéticos e o sul, pelos norte-americanos. A Guerra da Coreia, de 1950 a 1953, opôs os dois blocos da Guerra Fria, mas terminou sem vencedores. Até hoje há um estado de guerra. A metade norte é um país superfechado, a metade sul é uma nação com forte desenvolvimento nas últimas décadas. Será que o futebol será muito diferente?

	Confronto entre Brasil e Portugal

Fonte:


Atualidades Vestibular - 2011


Deixe um comentário