Vestibular UVA2016




Estrutura Etária

Podemos analisar tanto a idade como o gênero da população por meio da pirâmide etária, um gráfico escalonado em faixas de idade.

Postado em 05/06/2010 | 0 Comentário(s) | 24125 Acessos

É comum analisarmos as populações com base em sua estrutura etária e em seu gênero. Trata-se de verificar sua distribuição por grupos de idade (jovens, adultos e idosos) por sexo (feminino e masculino), que permite aos analistas avaliar muitos índices demográficos. Como o crescimento vegetativo e a expectativa de vida.

Podemos analisar tanto a idade como o gênero da população por meio da pirâmide etária, um gráfico escalonado em faixas de idade: de quatro em quatro anos, de cinco em cinco, de seis e seis etc. Essa representação é geralmente dividida em três partes: a base, o corpo e o topo, cada uma explicitando, respectivamente, dados da população jovem, adulta e idosa. Outro aspecto das pirâmides etárias é que a população do sexo feminino ocupa um de seus lados, e a masculina, o outro. Por causa dessas características, esse gráfico pode ser de grande utilidade para o planejamento de políticas públicas voltadas ao crescimento econômico e ao desenvolvimento social.

A largura e a distribuição das barras entre base e topo nos permitem saber se a população é predominantemente jovem, adulta ou idosa: quanto mais larga a base e estreito o topo, maior a quantidade de jovens e menor a expectativa de vida; situação contrária (base estreita e topo largo) indica o predomínio de população idosa. Com base na análise desses dados, podemos inferir aspectos da qualidade de vida da população, além de várias características socioeconôminas, como nível de renda e a demanda por empregos (quanto maior a quantidade de jovens, por exemplo, maior a reserva de mão-de-obra, o que se atrela, por conseguinte, à oferta de empregos).

A pirâmide etária dos países centrais é bastante diferenciada da dos países do sul. A primeira tem base mais estreita e corpo e ápice mais largos, enquanto a segunda apresenta base larga e ápice estreito, sendo a maioria de sua população constituída de crianças e jovens.

A população mundial é relativamente jovem. No entanto, a estrutura etária da população mundial vem sofrendo um lento envelhecimento, e as estimativas apontam para um aumento dessa tendência. Em 1950, as pessoas idosas (com mais de 65 anos ou mais) representavam 8% da população mundial; até 2050 esse valor deverá corresponder a 16,4% do total.

Estrutura da população mundial

Essa elevação do número de idosos resulta, especialmente, da redução da taxa de fertilidade e do aumento da expectativa de vida. Outro fato significativo é o aumento da população feminina: no início da década de 2000 seu total já superava em 40 milhões a população masculina. Isso resulta da maior expectativa de vida feminina, o que necessariamente se reflete no aumento dessa população na faixa acima dos 65 anos.

A estrutura etária e suas implicações

A intensificação do processo que resultou na elevação da idade média das populações dos países desenvolvidos, ao longo da segunda metade do século XX, agravou expressivamente os problemas sociais existentes em seus territórios, tais como:

A escassez de população em idade de ser incorporada ao mercado de trabalho, que inclui tanto os que estão ocupados quanto os desocupados, ou seja, a população economicamente inativa. A economia desses países, em especial as grandes potências industriais, como França, Reino Unido e Alemanha, necessita de mão-de-obra estrangeira para compensar a falta de mão-de-obra local. Esses trabalhadores estrangeiros normalmente ocupam as posições de trabalho menos qualificados, desprezadas pela população local;

A elevação dos custos sociais internos, de setores assistenciais, como o da previdência social e da saúde pública. Nos países desenvolvidos, a existência de um contingente relativo de idosos muito elevado determinou o aumento do número de aposentados e pensionistas. Os recursos para prover essa parcela da população originam-se do trabalho da população economicamente ativa. Esse considerável aumento pecuniário nos benefícios concedidos aos idosos compromete parte significativa das recitas públicas obtidas com impostos e taxas. Por causa disso, muitas dessas nações estão revendo as idades para aposentadoria, procurando retardá-las. O envelhecimento da população também levou à ampliação dos serviços de saúde oferecidos, o que provocou investimentos maciços na ampliação da rede médico-hospitalar.

Vem crescendo o nº de idosos

Estrutura ocupacional

Do ponto de vista ocupacional, a população de um país pode ser dividida em dois grandes grupos:

População economicamente ativa (PEA): constituída pelas pessoas de 10 ou mais anos de idade que estão empregadas ou que estão à procura de emprego. Nos países desenvolvidos, a base para o cálculo da PEA é de 15 anos de idade ou mais, pois nesses países as pessoas em geral freqüentam a escola até os 15 anos.

A Constituição brasileira impõe a idade mínima de 16 anos para que a criança ingresse no mercado de trabalho. O Estatuto da Criança e do Adolescente proíbe qualquer trabalho a menores de 16 anos, salvo na condição de aprendiz.

População economicamente inativa (PEI): representada pelas pessoas que não estão empregadas (crianças, estudantes, aposentados, etc.) ou que não exercem atividade econômica remunerada. Sob o ponto de vista econômico, a parcela da população, que é economicamente inativa requer grandes investimentos sociais (escolas, aposentadorias, etc.).

	Estrutura etária de países pobres e de países ric

População ativa e setores da atividade econômica

As atividades econômicas geralmente são classificadas em três setores: setor primário; secundário e terciário ou de prestação de serviço.

Atualmente, com a revolução tecnocientífica, uma tendência de incluir, além dos citados, o setor quaternário, que abrange a pesquisa de alto nível (biotecnologia, robótica, aeroespacial, etc.) desenvolvida em universidades, laboratórios e empresas.

O processo de colonização iniciado a partir do século XVI e que teve como consequência o surgimento da divisão internacional do trabalho e o atual processo de globalização da economia, explicam a atual distribuição da população ativa de acordo com os setores entre os países desenvolvidos e subdesenvolvidos.

Os países desenvolvidos, do norte ou centrais concentram a maior parte de sua população ativa no setor terciário ou nestes e no secundário.

Grande parte dos países subdesenvolvidos periféricos ainda tem sua economia baseada na produção de alimentos e de matérias-primas. Como não houve modernização expressiva no meio rural, utilizam grande número de trabalhadores e apresentam, conseqüentemente, elevados percentuais da população ativa no setor primário.

Muitos países subdesenvolvidos experimentaram significativo processo de industrialização e de urbanização após a Segunda Guerra Mundial, o que resultou em alterações nos percentuais de população ativa nos vários setores. Nesse grupo se incluem o Brasil.

Há ainda a considerar que com a modernização agrícola, ocorreu uma certa industrialização de atividades agropecuárias, com a instalação de complexos agro-industriais. Dessa forma, mesmo as atividades rurais do setor primário combinam-se com atividades do setor secundário.

	As mulheres vêm ganhando espaço cada vez mais no

Os indicadores sociais

Os indicadores sociais são dados numéricos que mostram a qualidade de vida de uma população. O índice de desenvolvimento Humano (IDH) é considerado o indicador socioeconômico mais amplo e completo porque leva em consideração três aspectos importantes:

A expectativa ou esperança de vida: condições de saúde que permitem uma vida mais longa e saudável;

O grau de escolaridade: taxas de alfabetização e taxas de matrículas em todos os níveis educacionais. No caso do Brasil, temos o ensino fundamental, médio e superior;

A renda per capita: distribuição de renda e qualidade de vida dos habitantes.

O IDH é a média simples dos valores correspondentes a esses três aspectos e varia de 0,0 a 1,0. Quanto mais próximo de 1, melhor o desempenho de uma nação. A classificação dos IDH’s é a seguinte: baixo (até 0,499), médio (de 0,500 a 0,799) e alto (acima de 0,800).

O IDH foi criado pela ONU, na década de 1990, para avaliar e comparar o padrão de vida das nações do mundo. São avaliados 182 países.

	Posição dos países no IDH

Fonte:


Tiberigeo Tiberiogeo. A Geografia Levada a Sério.


Deixe um comentário