Vestibular UVA2016




Fuso Horário

O fuso de Londres foi escolhido como referência, GMT (sigla da expressão inglesa Greenwich Mean Time - hora média de Greenwich), para a contagem das horas.

Postado em 23/05/2010 | 0 Comentário(s) | 20414 Acessos

O tempo é uma referência necessária para o homem que vive no espaço terrestre. Para entender a contagem do tempo na Terra, é fundamental considerar o movimento de rotação do nosso planeta.

Você sabe que, à medida que a Terra vai girando em torno do seu eixo imaginário, no sentido de oeste para leste, a luz do Sol vai progressivamente iluminando diferentes regiões. Isso quer dizer que o tempo de permanência da luz e da sombra projetada sobre as diferentes regiões da superfície terrestre varia. Mas, apesar dessas diferenças, cada volta da Terra em torno do seu eixo dura sempre 24 horas.

Para nos comunicarmos com alguém fora do nosso lugar geográfico, é importante saber a hora do lugar onde a pessoa mora (hora local), assim como é preciso saber se é dia ou noite. A hora local é dada pelos fusos horários.

A terra gasta um dia (24 horas) para realizar seu movimento de rotação em relação ao Sol. Para localizar um acontecimento no dia usamos as horas, ou seja, as 24 partes em que foi dividido o tempo de uma rotação da Terra.

Em cada lugar da superfície terrestre, cada hora corresponde a uma determinada posição do Sol em seu movimento aparente. Portanto, somente os lugares localizados sobre um mesmo meridiano têm a mesma hora solar.

Como a Terra gira de oeste para o leste, o Sol nasce primeiro nos lugares a leste em relação aos lugares a oeste. Isso quer dizer que tanto o dia quanto a noite surgem primeiro nos lugares mais a leste quando comparado ao oeste. Portanto, os lugares a leste têm o seu horário mais adiantado em relação aos lugares a oeste.

Na prática não é possível seguir o horário solar verdadeiro local, pois isso atrapalharia muito as comunicações entre as pessoas. Por isso foi instituído um horário padrão, capaz de ser conhecido e usado em todo o mundo.

Observatório de Greenwich

A hora legal

Para facilitar as comunicações entre os diferentes lugares da superfície terrestre, foi instituída a hora legal. Isso quer dizer que existe o limite teórico e o limite prático.

Os limites dos fusos horários não são, entretanto, rigidamente mantidos. É muito comum que os países estipulem seus fusos horários segundo suas unidades político-administrativas, pois os limites teóricos muitas vezes fracionam as horas, descaracterizando, consequentemente, os objetivos iniciais do sistema. Foram criados então os fusos horários civis, formados por linhas tortuosas que seguem os limites políticos dos estados, podendo envolver uma região maior ou menor que 15° de longitude. Dessa forma, evita-se, na medida do possível, que uma área com intensas relações econômicas e sociais apresente horários diferentes e fracionados. Podemos encontrar, no entanto, países que adotam horários fracionados. É o caso da Índia, na Ásia, cujo horário oficial está cinco horas e meia adiantado, em relação a Greenwich, e Suriname, na América do Sul. Seu horário oficial está três horas e meia atrasado em relação ao fuso do meridiano de origem.

A Terra foi dividida em 24 faixas longitudinais iguais, cada uma com sua hora oficial. Cada faixa equivale a quinze graus (15°), de maneira que a soma das 24 faixas totaliza os 360° da circunferência (24 x 15 = 360), isto é, como um dia tem 24 horas e a circunferência da Terra é de 360°, a divisão de 360° por 24 o resultado será 15°, que corresponde a um fuso horário. Portanto, dentro do mesmo fuso horário todos os horários devem marcar a mesma hora que será a hora daquele fuso.

O fuso de Londres foi escolhido como referência, GMT (sigla da expressão inglesa Greenwich Mean Time - hora média de Greenwich), para a contagem das horas. É, portanto, o fuso inicial. No meio desse fuso inicial de 15°, localiza-se o meridiano de Greenwich. Por ter sido tomado como referência, o meridiano é chamado de meridiano inicial.

É importante não confundir fuso como meridiano. Meridiano é uma linha; fuso é uma faixa. Portanto, cada fuso contém 15 meridianos com 1° de afastamento um do outro.

A LID, Linha Internacional de Data, trata-se de uma linha imaginária que determina a mudança do dia. Fica na região das ilhas Kiribati, Samoa Ocidental e Tonga, no oceano Pacífico. Indo em direção ao oeste, teremos o novo dia. Voltando para o leste, estaremos no dia anterior.

Faixa inicial dos fusos horários

O horário no Brasil

Como sabemos, a hora legal foi instituída para facilitar e não para complicar as relações entre as pessoas de diferentes lugares. Assim, em 1913, o país adotou o sistema de fusos aprovado pelo Congresso Nacional no dia 18 de junho deste ano. Mas se o Brasil adotasse rigorosamente os limites estabelecidos pelos fusos horários, teríamos muitos problemas práticos. Para se ter uma ideia, o estado da Paraíba, por exemplo, poderia ter horários diferentes, enquanto na parte litorânea seria 12h, na parte do sertão seria 11h.

Para evitar problemas desse tipo o Brasil adaptou, assim como vários países, seus fusos horários para facilitar as comunicações entre as várias regiões. O Brasil até maio de 2008 possuia quatro fusos horários, no entanto, uma proposta de Tião Viana, senador do estado do Acre, propôs uma mudança no fuso brasileiro. O Diário Oficial da União (DOU) publicou a lei que reduz em uma hora a diferença entre o Acre e parte do Amazonas, em relação ao horário de Brasília. O Brasil passou a possui três fusos horários, todos atrasados em relação ao fuso de Londres, pois nosso país está inteiramente a oeste do meridiano de Greenwich.

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva sancionou no dia 24/05/08, sem vetos, a lei que reduz de quatro para três o número de fusos horários usados no Brasil entrando em vigor no dia 24/06/08.

O primeiro fuso do Brasil, 30° W, abrange as ilhas oceânicas.

O segundo corresponde o mais importante, pois abriga o fuso 45° W no qual temos nossa hora oficial abrangendo as regiões: Nordeste; Sudeste e Sul; os Estados do Tocantins, Amapá e Pará na Região Norte; e Goiás no Centro Oeste.

O terceiro fuso, 60° W, abrange os Estados do Mato Grosso e Mato Grosso do Sul no Centro Oeste; no Norte, os Estados de Roraima; Rondônia; Amazonas e o Acre.

	Fuso antigo e novo do Brasil

O horário de verão

O horário de verão corresponde à alteração feita no horário de uma região, adiantando-se o relógio em uma hora, com o objetivo de diminuir o consumo de eletricidade, substituindo o uso da luz artificial (das lâmpadas) pela luz natural (do Sol). Essa medida vêm sendo adotada em diversas partes do mundo, inclusive no Brasil. Tal processo se verifica no verão, e especialmente nas áreas localizadas entre os trópicos, onde a luminosidade é máxima nessa época do ano. Conseqüentemente, o alvorecer acontece mais cedo, e o entardecer, mais tarde.

As origens do horário de verão remota ao ano de 1907, quando Willian Willett, um construtor britânico e membro da Sociedade Astronômica Real, deu início a uma campanha para adoção do horário de verão naquele país. Nequeles dias o argumento utilizado era que haveria mais tempo para o lazer, menor criminalidade e redução no consumo de luz artificial. Surgiram opositores de todas as áreas e Willett não viveu o suficiente para ver a sua idéia ser colocada em prática.

O primeiro país que adotou o horário de verão foi a Alemanha, em 1916, no que foi seguida por diversos países da Europa, devido à Primeira Guerra Mundial. A economia de energia elétrica foi vista como um esforço de guerra, propiciando uma economia de carvão, a principal fonte de energia da época.

No Brasil ele foi adotado pela primeira vez em 1931, visando também à economia de energia elétrica, por meio do decreto 20 166, de 1º de outubro desse mesmo ano. Em caráter permanente no Brasil desde 1985.

	Fusos horários


Fonte:


Tiberigeo Tiberiogeo. A Geografia Levada a Sério.


Deixe um comentário