Vestibular UVA2016




Rendimento do trabalho é menos desigual no país

Estudo aponta que as regiões brasileiras vêm equilibrando a participação da renda do trabalho na renda nacional.

Postado em 20/04/2012 | 0 Comentário(s) | 2356 Acessos

A participação do rendimento do trabalho na renda nacional encontra-se em movimento de descentralização, em migração principalmente da Região Sudeste para o Centro-Oeste, o Nordeste e especialmente o Norte.

A evolucão da parcela do rendimento do trabalho durante a recente estabilidade monetária, aponta que a Região Norte apresentou o melhor desempenho no período analisado (1995 a 2009), em relação às demais regiões, pois cresceu 16,1% de 1995 a 2002, e 31,5% de 2002 a 2009.

De 1995 a 2002 houve grande queda da participação: naquele ano, quase metade da renda nacional era a renda do trabalho, 48%, e em 2002, esse percentual era de 42,4%. A partir de 2003, porém, iniciou-se um movimento de recuperação, chegando a 43,4% em 2009. Para o presidente do Instituto, as projeções confirmam que há continuidade do movimento de recuperação da participação total e também da descentralização.

Há uma tendência de redução do grau de desigualdade entre as regiões, dado que a região Sudeste, que detinha 56,7% da participação da renda do trabalho na renda nacional em 1995, em 2009 apresentou participação de 50,8%. O Norte passou de 3,9 para 6 pontos percentuais, o Centro-Oeste, de 7,3 para 9,3 pontos, o Nordeste, de 14,5% para 16,1, e o Sul, de 17,6% para 17,8%.

Ainda há grandes desigualdades no país

O estudo reforça informações que são de conhecimento público, quanto à evolução da distribuição da renda no país na primeira década do século 21. “Tratamos da distribuição funcional da renda, não a pessoal, porque agregamos todas as formas de rendimento do trabalho, inclusive os rendimentos de trabalhadores informais e de empregadores”, informou Márcio Pochmann, presidente do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea). Outras formas de renda, que são em geral rendas de propriedades, lucros e juros, não foram consideradas.

É evidenciado o comportamento dos distintos modelos econômicos que o Brasil adotou ao longo da década de 1990 e no começo do século XXI. Naquele, o Brasil era uma espécie de trem puxado pelo Sudeste e Sul. O que não acontece agora, pois há maior descentralização.

O que amplia a participação do salário na renda nacional é o consumo, explica Pochmann. Isso possibilita, segundo ele, “enfrentarmos a crise internacional pelo mercado interno”.

Presidente do Ipea


Fonte:


IPEA

www.ipea.gov.br


Deixe um comentário