Vestibular UVA2016




Crise na Tunísia

A partir do momento em que se tornou claro que os Islamitas já não representavam uma ameaça séria, muitos tunisinisos revelaram-se em não aceitar a mão pesada do governo.

Postado em 10/02/2011 | 0 Comentário(s) | 3180 Acessos

O presidente da Tunísia, Zine Al-Abidine Ben Ali, deixou o poder após semanas de manifestações populares contra o governo.

Até recentemente o país, famoso como destino turístico, era visto como um exemplo de estabilidade e relativa prosperidade no mundo árabe, embora governado com mão de ferro por Ben Ali desde 1987.

Ainda não está claro que efeitos que os desdobramentos no país – que fica numa região em que vários países são governados pelos mesmos líderes há anos em regimes considerados pouco democráticos - poderão ter sobre outras nações árabes.

Entenda as mudanças na Tunísia.


Protestos na Tunísia

O que gerou os protestos?

O gesto desesperado de um jovem, no dia 17 de dezembro, deflagrou uma onda de protestos e choques entre manifestantes e a polícia.

Mohamed Bouazizi ateou fogo em si mesmo na cidade de Sidi Bouzid (centro do país) quando policiais impediram que ele vendesse vegetais em uma banca de rua sem permissão.

O ocorrido gerou uma onda de protestos contra o desemprego na região, que baseia sua economia na agricultura e é uma das mais pobres do país.

Os protestos se espalharam então para outras partes da Tunísia. O governo acusou a oposição de explorar o incidente.

Mas a resposta violenta das autoridades, com a polícia disparando munição verdadeira contra os manifestantes, parece ter dado mais força aos manifestantes.

O protesto também é considerado uma reflexo da frustração da população com a elite dominante e a ausência de liberdades políticas.

O governo diz que 23 pessoas morreram desde o início dos protestos, mas a oposição diz que o número de mortos supera 60.

Os protestos eram esperados?

Não, eles parecem ter surpreendido a todos, inclusive o governo.

Parece ter ocorrido uma ruptura do acordo velado existente desde que Ben Ali tomou o poder em 1987.

Em troca de um progresso econômico lento, porém contínuo, a maioria dos tunisianos teria aceito a restrição das liberdades políticas, um Estado policial e uma elite frequentemente acusada de corrupta.

Para investidores estrangeiros, o país seria um local seguro para investimentos e fonte de mão-de-obra barata.

Mas o modelo parece ter fracassado ou se provado insustentável a longo prazo.

Uma grande quantidade de formados em universidades que não conseguem emprego, há frustração com a falta de liberdades políticas, os excessos da classe dominante e a violência policial. Tudo isso parece ter intensificado a revolta popular.

	Protestos contra o desemprego

Como foram os últimos dias do governo de Ben Ali?

O presidente Ben Ali inicialmente negou que a polícia tenha reagido com força exagerada, afirmando que ela protegia interesses públicos contra um pequeno número de “terroristas”.

Todas as universidades e escolas foram fechadas em uma tentativa de manter os jovens em casa, esvaziando os protestos.

Mas o presidente pareceu ter mudado de estratégia e, gradualmente, seu regime sucumbiu frente aos olhos do mundo.

Em 12 de janeiro ele demitiu seu ministro do Interior e ordenou a liberação de todos os detidos durante os protestes. Ele também criou um comitê especial para investigar a corrupção.

Foi feita anda a promessa de atacar a raiz do problema do desemprego, com a criação de 300 mil empregos.

Mas os protestos continuaram e chegaram ao centro da capital em 13 de janeiro, apesar de um toque de recolher.

Ben Ali prometeu então combater a alta de preço dos alimentos, permitir a liberdade de imprensa e internet e “aprofundar a democracia e revitalizar o pluralismo”.

Ele também disse que não mudaria a constituição para permitir a própria reeleição em 2014.

No dia seguinte, Ben Ali anunciou a dissolução do governo e convocou eleições parlamentares dentro de seis meses, antes de declarar um estado de emergência.

O toque de recolher entre 18h e 06h foi ampliado a todo o país, proibidas aglomerações de mais de três pessoas e as Forças de Segurança receberam permissão para atirar em qualquer um que desobedecesse suas ordens.

Finalmente, ele anunciou que sairia “temporariamente” do cargo de presidente e depois teria deixado o país.

O Conselho Constitucional declarou no dia 15/01/2011 que o chefe do Parlamento Foued Mebazaa seria o novo presidente interino do país até as novas eleições, que devem acontecer em 60 dias.

O que acontece agora?

O premiê Mohammed Ghannouchi disse que respeitaria a constituição, mas não está claro se a medida será o bastante para satisfazer os manifestantes.

Também não está claro que efeito que as mudanças na Tunísia terão sobre o mundo árabe como um todo.

Muitos dos países árabes são governados há anos pelos mesmos líderes em regimes que muitos não consideram verdadeiramente democráticos. É o caso do Egito e da Líbia, dois países do norte africano, como a Tunísia.

A Tunísia está perigosa para turistas?

O espaço aéreo tunisiano foi fechado, mas não se sabe quanto tempo a medida vai ficar em vigor.

Não há relatos de ataques contra turistas e a maior parte da violência ocorreu longe dos balneários freqüentados por estrangeiros.

Mas empresas turísticas cancelaram algumas de suas operações no país.


Fonte:


BBCBrasil

www.bbc.co.uk/portuguese/


Deixe um comentário